Archive for the ‘Gestão’ Category

Confira as principais dúvidas sobre a declaração Imposto de Renda 2020

terça-feira, março 3rd, 2020

Mais um ano se inicia e muitos trabalhadores ficam ansiosos para a declaração do imposto de renda, já que essa declaração é obrigatória todos os anos. 

Ao contrário do que muitos pensam, esse imposto incide sobre a renda dos trabalhadores brasileiros. Existem alguns casos em que não se é obrigatória a declarar o Imposto de Renda 2020, casos esses que tenha uma renda salarial abaixo do critério.

Para 2020, o envio das declarações deve ser feito de 2 de março a 30 de abril. No entanto, muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre o tema. Confira!

Imposto de Renda é um tributo existente em diversos países. Por meio dele, o cidadão é obrigado a declarar uma porcentagem de sua renda ao governo, com base na riqueza produzida. Os valores arrecadados anualmente são utilizados para financiar programas e assistências sociais, como habitação e infraestrutura.

A principal responsável pela arrecadação é a Receita Federal, órgão que pertence ao Ministério da Fazenda. Todo o valor arrecadado são repassados para a Receita Federal, que futuramente direciona para o Governo Federal.

Quem deve declarar o Imposto de Renda 2020?

Veja abaixo, todas as informações e principais dúvidas.

No Brasil, o Governo e a Receita Federal são responsáveis por definir os critérios necessários para que as pessoas realizem a declaração do Imposto de Renda. Para 2020, por exemplo, estão obrigados a declarar:

  • Trabalhadores que tiveram receita superior a R$ 28.559,70;
  • Pessoas que tiveram rendimentos tributáveis ou não superiores ao valor de 40.000,00;
  • Trabalhadores rurais com receita superior a R$ 142.798,50;
  • Cidadãos que tenham bens com valores superiores a R$ 300 mil;
  • Pessoas que tiveram lucros sobre bens e direitos;
  • Cidadãos que fizeram operações na bolsa de valores;
  • Cidadãos do setor rural que queiram realizar compensação de prejuízos;
  • Pessoas que se oficializaram como cidadãos brasileiros.

Quem NÃO deve declarar Imposto de Renda?

Por outro lado, alguns cidadãos estão isentos da declaração do Imposto de Renda 2020, são eles:

  • Cidadãos que não se enquadrem nos requisitos do tópico anterior;
  • Cidadãos que atendam alguns desses requisitos, mas já tenham sido declarados como dependente de outra pessoa;
  • Pessoas que tiveram rendimentos tributáveis, como salário, inferior a R$ 28.559,70.

Quais documentos são necessários para declarar o Imposto de Renda?

Na hora de declarar o Imposto de Renda é muito importante estar atento aos documentos necessários. Os principais são:

  • Nomes do titular e dependentes;
  • Endereço;
  • CPF do titular e dependentes;
  • Certidão de Nascimento para dependentes crianças;
  • Comprovante de renda previdenciária (aposentados e pensionistas);
  • Declaração do ano anterior;
  • Recibos de despesas com saúde;
  • Documentos de compra e venda de bens;
  • Prestações e mensalidade de educação;
  • Papéis de doações, consórcios, empréstimos e heranças;
  • Guia para cálculo de IR
  • IPTU;
  • Registro de inscrição no órgão público e registro no cartório de Imóveis;
  • Renavam;

Quem pode ser dependente no IR?

O Imposto de Renda permite a inclusão de dependentes na declaração do titular. Em tais casos, valores com educação e saúde, bens e propriedades podem ser deduzidos. Alguns dependentes aceitos na declaração são:

  • Cônjuge ou companheiro de união estável;
  • Filhos e enteados de até 21 anos, ou de qualquer idade se forem incapacitados para trabalhar, ou até 24 se estiverem cursando o ensino superior;
  • Irmãos, netos, bisnetos e outros menores, de até 21 anos, desde que o titular tenha a guarda judicial;
  • Pais, avós e bisavós, desde que tenham recebido rendimentos, tributáveis ou não;
  • Sogros podem entrar na declaração, mas somente se o cônjuge for dependente;
  • Menores de 16 anos;
  • Dependentes do cônjuge;
  • Filhos casados ou em união estável e cônjuge;
  • Dependentes que não moram no Brasil ou falecidos;
  • Ex-cônjuge e filhos que recebem pensão.

Qual a vantagem de incluir o dependente no IR?

Incluir dependentes na declaração pode garantir a redução de até R$ 2.275,08 no imposto a ser pago. Mas nem sempre vale a pena adicionar dependentes, porque se o dependente tiver em seu nome muitos bens tributáveis, o titular pode ter que pagar mais impostos.

Além disso, um dependente só pode ser incluído em uma única declaração do IR. Filho de pais separados, por exemplo, entra como dependente na declaração de apenas um dos pais.

Quais são os tipos de declaração do Imposto de Renda?

Atualmente, existem dois tipos de declaração que podem ser enviadas à Receita Federal: a declaração simples e declaração completa. O contribuinte pode escolher entre um delas, com base em suas despesas. A própria Receita informa, no ato do preenchimento da declaração, qual a opção mais viável.

  • Declaração Simples

Nas declarações simples, a Receita aplica um desconto de 20% sobre todos os rendimentos tributáveis, que foram recebidos em 2019. Essa opção é indicada para contribuintes que tenham gastos que podem ser abatidos do cálculo do IR, como educação, saúde e gastos diversos com dependentes.

  • Declaração Completa

A declaração completa é a mais indicada para contribuintes que possuam filhos, pagam escola, contribuem para previdência privada e possuem outros gastos. O modelo permite detalhar todos esses gastos, que podem entrar com extras. Para a declaração completa, é necessário guardar os comprovantes das despesas por pelo menos cinco anos.

Como calcular o IR?

O cálculo do Imposto de Renda pode ser um pouco complicado. Por isso, a Receita Federal permite simular, online, quanto será pago no ano.

Essa simulação pode ser feita apenas informando os dados dos gastos e rendimentos. Clique aqui e faça a simulação.

O que é o IRRF?

O Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) é o primeiro acerto de contas que os trabalhadores brasileiros fazem com a Receita.

Trata-se de uma cobrança retida na fonte de receita e incide sobre o salário dos trabalhadores registrados em CLT, que recebam mais de R$ 1.903.

O valor do desconto mensal no contracheque varia de 7,5% a 11%.

Quem está isento do IRRF?

Estão isentos do IRRF os trabalhadores com salário de até R$ 1.903,98.

Se o salário for maior, ele é obrigado a deduzir uma parte. O desconto do IRRF já está detalhado no informe de rendimentos fornecido pela empresa.

O que é a restituição do IR?

A restituição do imposto de renda é a devolução da diferença do imposto, quando pago a mais. Caso a diferença seja positiva, o contribuinte tem saldo a pagar.

Caso seja negativa, tem saldo a ser restituído. Os valores positivos ou negativos só são informados após o envio das declarações.

O que posso deduzir do IR?

O Imposto de Renda garante que sejam deduzidos gastos relacionados à educação, saúde, doações, pensão, previdência privada e com dependentes.

Quais gastos com saúde podem ser deduzidos?

A Receita Federal garante que alguns gastos com saúde podem ser deduzidos no imposto, como:

  • Consultas particulares com médicos e hospitais;
  • Cirurgias plásticas relacionadas à saúde;
  • Tratamentos dentários (exceto clareamento dental);
  • Fisioterapia;
  • Tratamentos psicológicos e psiquiátricos;
  • Exames;
  • Tratamento de saúde no exterior;
  • Plano de saúde;
  • Próteses e despesas com cadeira de rodas.

Quais gastos com educação podem ser deduzidos?

É possível deduzir do Imposto de Renda gastos com educação do titular e dependente. Porém, é preciso seguir os critérios do que a Receita aceita dentro dessa categoria. Atualmente. só podem ser deduzidos os seguintes gastos :

  • Educação infantil (creches e pré-escolas);
  • Ensino fundamental;
  • Ensino médio;
  • Educação superior (graduação, pós-graduação mestrado, doutorado e especialização);
  • Educação profissional (ensino técnico e tecnológico).

O que acontece se eu não entregar minha declaração de IR?

Contribuintes que não enviarem a declaração do Imposto de Renda podem ter sérios problemas. De imediato, o CPF já se torna pendente, assim pode ter impedimento para solicitar empréstimos, prestar concurso público ou aprovação de cartão de crédito.

Além disso, os contribuintes ficam sujeitos ao pagamento de uma multa por atraso. O valor é de R$ 165,74 para quem não tem imposto a pagar e de 1 a 20% o valor do imposto devido para quem ainda deve recolher.

O que é malha fina?

O termo malha fina refere-se ao processo de verificação de inconsistências da declaração do imposto de renda. Ela atua como uma peneira para processos de declarações que estão com alguma pendência. Assim, impossibilita a restituição de valores e pode resultar em investigação aprofundada da Receita Federal. Se comprovado algum crime, o contribuinte responder na esfera legal, ser multado ou preso.

Como será a Restituição Imposto de Renda em 2020?

Para 2020, uma novidade é na antecipação de pagamento dos lotes de restituição. Até o ano passado, a liberação era feita a partir do dia 15 de junho e acontecia até dezembro. Para este ano, o número de lotes caiu de sete para cinco e as datas de restituição serão aplicadas da seguinte forma:

  • 1º lote: 29 de maio 2020
  • 2º lote: 30 de junho 2020
  • 3º lote: 31 de julho 2020
  • 4º lote: 31 de agosto 2020
  • 5º lote: 30 de setembro 2020

Como fazer e enviar a declaração do Imposto de Renda?

Para o preenchimento e envio da declaração do IR, antes de qualquer coisa aconselhamos procurar um profissional qualificado para o mesmo, mas se você tem um bom entendimento de como funciona a Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física, pode ser feito seguindo o passo a passo a seguir:

  1. Revise os documentos e dados necessários;
  2. Faça o download do programa IRPF no site da Receita Federal (clique aqui)
  3. Preencha os formulários do programa com os dados solicitados;
  4. Informe todos os rendimentos;
  5. Insira os pagamentos que foram feitos;
  6. Inclua na declaração os bens, direitos, dívidas e ônus;
  7. Clique em “pendências” para ver se faltou preencher alguma informação;
  8. Por fim, clique em “entregar a declaração” e emita o Darf para prosseguir com o pagamento.

Qual o prazo para entrega da declaração em 2020?

Para 2020, o prazo para entrega da declaração do IR começa às 8h do dia 2 de março e se estende até às 23h59 horas do dia 30 de abril.

Quais as novidades de declaração em 2020?

Neste ano, quem possui serviço de empregada doméstica com registro CLT, não se beneficiará mais com o incentivo fiscal de R $1.251,00. Além disso, agora será preciso incluir mais informações sobre:

Imóveis – data de aquisição, área, IPTU, registro de inscrição em órgão público e no cartório de Imóveis;

Veículo, aeronaves e embarcações – Renavam e registro no correspondente órgão fiscalizador;

Contas correntes e aplicações financeiras – CNPJ da instituição financeira.

Como garantir a restituição mais rápido?

Quem entrega a declaração nos primeiros dias tem mais chance de receber a restituição antes. Neste ano, o primeiro lote deve sair em 29 de maio. Quem envia declaração com antecedência é pago primeiro.

Comprou ou vendeu imóvel ou carro deve declarar?

Quem comprou ou vendeu imóvel ou veículo em 2019 deve informar os dados na declaração de bens e enviar os seguintes documentos:

  • Contrato;
  • Escritura;
  • Nota fiscal ou recibo;
  • CPF/CNPJ de quem comprou ou vendeu;
  • Informação se o negócio foi pago à vista, a prazo ou financiado.

No caso de financiamento, é necessário ter os seguintes dados informados:

  • Nome do banco;
  • Número do contrato;
  • Valor financiado;
  • Número e valor das prestações;
  • Valor de entrada.

Quem teve lucro na venda de bem deve declarar?

A resposta é sim! Se houve lucro na venda do bem é preciso preencher o programa de Ganhos de Capital referente a 2019 (GCAP 2019), que está disponível no site da Receita Federal. Em seguida, deve transportar as informações para o programa do IR 2020.

No entanto, quem fez esse tipo de operação pode já estar devendo à Receita, pois se a venda ocorreu em maio de 2019, por exemplo, o imposto deveria ser pago até junho.

Quem recebeu aluguel deve declarar?

A resposta é sim! Pessoas que recebam outras fontes de renda, como aluguel e pensão alimentícia, com valor superior a R$ 1.903,98 por mês, devem informar a receita por meio do carnê-leão.

O que é carnê-leão?

O carnê-leão é uma forma de recolhimento mensal e obrigatória de operações que os valores não têm tributação na fonte pagadora.

Desta forma, o papel do carnê-leão é controlar as tributações sobre esses rendimentos e manter o contribuinte em dia com o Fisco.

Como evitar a malha fina?

Toda atenção é pouca na hora de fazer a declaração do Imposto de Renda. Muitas vezes, o contribuinte não declara algum rendimento ou iforma valores errados. Confira os principais problemas que levam o contribuinte à malha fina:

  • Omitir informações de rendimentos recebidos;
  • Informar valores diferentes dos obtidos mediante o informe de rendimentos recebido;
  • Informar despesas médicas que não podem ser comprovadas;
  • Informar dependentes em duplicidade;
  • Acrescentar dependente que já apresenta declaração em separado;
  • Apresentar rendimentos incompatíveis com a riqueza;
  • Fazer movimentações em Bolsa de Valores e não informar à Receita.

Qual o cronograma do imposto de renda 2020?

Para não perder nenhum prazo, confira as datas mais importantes do calendário do IR 2020:

  • 4 de janeiro: Liberação de alíquotas da declaração 2019;
  • Até 31 de janeiro: Liberação de programas auxiliares do Imposto de Renda;
  • 25 de fevereiro: Liberação do Programa IFPR 2019;
  • 7 de março: Início da entrega da declaração;
  • 30 de abril: Fim do prazo para a entrega da declaração;
  • 17 de junho a 16 de dezembro: Pagamento das restituições.

Posso doar meu imposto de renda?

O contribuinte pode doar parte do seu imposto a uma organização da sociedade civil. O repasse para entidades e projetos garante que os recursos sejam aplicados em diferentes programas de incentivo.

Além disso, em 2020, as doações podem ser feitas diretamente na entrega da declaração.

Como declarar Imposto de Renda atrasado?

Depois das 23h59 do dia 30 de abril, o contribuinte que não enviou a declaração está em atraso. Em tais casos, deverá pagar uma multa que varia de R$ 165,74 a 20% do total do imposto.

No caso de declaração entregue no prazo, mas com erro, ela pode ser retificada a partir do dia 1º de maio. Nesses casos, não há cobrança de multa, a não ser que exista uma diferença no IR devedor.

Consulta Malha Fina Imposto de Renda 2020

De acordo com dados publicados pela Receita Federal, cerca de 800 mil pessoas caíram na malha fina fiscal do Governo. Todo esse número equivale a 3% do total de declarações. 

Geralmente, os casos que caem nessa malha fina feita pelo Governo são:

  • Deduções preenchidas incorretamente, ou com dados faltando;
  • Erros de digitação;
  • Esquecer (ou omitir) rendimentos na declaração;
  • IRRF pago à Receita Federal não bate com o IRRF declarado na DIRF 2020;
  • Dentre outros. 

Portanto amigos, não tratem a DIRPF como uma coisa qualquer. Cada vez mais a Receita Federal está aumentando os sistemas de fiscalização ao contribuinte, então não se arrisque, conte com a ajuda de um profissional qualificado para não ter dor de cabeça com o Leão.

Conte com quem pode te ajudar, conte conosco! Fala com a gente e te ajudamos.

Gostou do artigo? Compartilha com os amigos e ajude mais pessoas a não ter problemas com o Fisco.

Sociedades para advogados, saiba mais!

quinta-feira, fevereiro 20th, 2020

Já foi muito caro e complicado abrir e manter um escritório de advocacia como Pessoa Jurídica. Por isso, muitos profissionais do direito optavam por trabalhar como autônomos, prática que ainda tem bastante adeptos.

Porém, nos últimos anos surgiram novas formas de legalização de negócios e ocorreram mudanças na legislação tributária, o que reverteu esse quadro. Ultimamente, tornou-se mais simples e barato abrir uma empresa na área e aproveitar as vantagens de contar com um escritório de contabilidade para advogados.

Com uma contabilidade especializada para o setor, nosso maior objetivo é produzir uma assessoria especializada para garantir que sua Sociedade de Advogados possa ter tranquilidade, seja sociedade simples ou unipessoal.

Objetivo: Enquanto cuidam dos seus processos, nós cuidamos da sua Contabilidade.

Alguns dos nossos trabalhos:

  • Planejamento Tributário
  • Gerenciamento financeiro
  • Redução Legal de Impostos
  • Entrega das Obrigações Fiscais
  • Folha de Pagamento e Obrigações Trabalhistas
  • Transformação de Pessoa Física em Jurídica
  • Elaboração de todas demonstrações Contábeis

Devido as diversas mudanças na legislação dos serviços de contabilidade, nosso intuito não está apenas em cumprir rigorosamente todos os prazos que estipulamos, como também todas as obrigações contábeis.

TIPOS DE SOCIEDADE?

Advogados que pretendem constituir sua personalidade como Pessoa Jurídica, temos como as opções mais utilizadas hoje, tanto a Sociedade Unipessoal quanto pela Sociedade Simples.

Sociedade Unipessoal? Afinal, sociedade de uma pessoa só? Como assim? Mas tudo bem, é a nomenclatura usada e essa é outra discussão.

Criada pela Lei n° 13.247/16, a Sociedade Unipessoal de Advocacia (SUA) permitiu a constituição de pessoa jurídica pelo advogado individual.

Portanto, essa nova figura legal dá maior segurança àquele advogado que atua sozinho. Ele não é mais obrigado a procurar um sócio com o único propósito de criar uma pessoa diversa da dele e pode ser empresário por conta própria.

A sociedade unipessoal é peculiar à classe dos advogados e guarda forte ligação com o espírito da Eireli.

Esse formato é a versão para advogados da empresa individual comum, inclusive tendo semelhanças com ela, como;

  • Uso do nome do advogado como nome empresarial;
  • Responsabilidade ilimitada do proprietário em relação a finanças, dívidas e ações da empresa.

Como não poderia deixar de ser, existem também semelhanças com a Sociedade Simples:

  • É possível a adoção ao Simples;
  • É proibido que o negócio tenha, formal ou informalmente, características de outros tipos de empresas — como a adoção de nome fantasia;
  • É proibido que seja exercida atividade diferente da utilizada como finalidade para abertura da Sociedade Unipessoal.

Vale ressaltar também que o advogado que escolher por esse modelo não pode ter outra sociedade do mesmo tipo. Além disso, também não fazer parte de uma SS localizada no mesmo estado de sua empresa unipessoal.

A constituição de uma Sociedade Simples de Advogados permite aumentar a força de trabalho, atendendo mais de uma área do Direito, permitindo também maior possibilidade de conseguir novos clientes e, com isso, havendo também melhores condições de expandir suas atividades no Direito.

Com a formação de uma Sociedade Simples de Advogados, os profissionais conseguem maior credibilidade e mais segurança para os clientes, já que são oferecidas diversas especialidades do Direito.

Outra vantagem que não pode ser negligenciada é a participação nos lucros do escritório, que deve ser proporcional ao percentual de quotas de cada um, além dos honorários dos próprios processos.

Portanto, integrar uma Sociedade Simples de Advogados é uma maneira bastante promissora para o crescimento profissional, permitindo aliar recursos financeiros e conhecimento e experiência profissional.

Resumindo, vale lembrar ainda que, ao montar uma Sociedade unipessoal ou Simples de Advogados, a carga tributária é bem menor do que para um advogado autônomo, gerando economia para o escritório e, evidentemente, maior lucro para os profissionais. Veremos um pouco sobre esse ponto logo a frente.

SIMPLES NACIONAL OU LUCRO PRESUMIDO? O QUE OPTAR?

Simples Nacional é o regime para Micro e Pequenas empresas que faturam anualmente até R$ 4.800.000,00.  As Sociedades de Advogados que optarem por esse regime, a tributação Inicial será de 4,5%.

Lucro presumido, era a tributação para Escritórios de Advogados mais usada até a inclusão no Simples Nacional. A tributação gira em torno de 11,33% de tributos Federais sobre o Faturamento + ISS que pode ser fixo, trimestral ou mensal de acordo o enquadramento municipal.

Sendo assim, o Simples Nacional é a melhor tributação para muitas sociedades de Sociedade de Advogados, principalmente para aqueles de pequeno e médio porte.

Além da menor tributação e uma maior simplificação no cumprimento das obrigações, o Simples Nacional nos dá outras vantagens:

Conforme consta em Art. 14 da Lei 123/2006, Lei que rege o Simples Nacional. A empresa poderá distribuir os lucros ao sócio com isenção de imposto de renda.

  • Ou seja, além do pró-labore recebido, o sócio poderá transferir o saldo remanescente do faturamento para si próprio como distribuição de lucros sem pagar impostos.
  • Agora vale lembrar, para obter os benefícios da isenção, a legislação exige que a ME ou EPP mantenha escrituração contábil ativa.
  • Isso mesmo, as isenções e demais benefícios, devem estar em demonstrativos contábeis, como Balanço Patrimonial ou DRE por exempro, e poderão servir como meios de comprovação, segundo a legislação do Simples Nacional.

Agora imagina, você:

  • Não precisar está querendo driblar o governo;
  • Não precisar omitir informações;
  • Não correr risco de cair na malha fina;
  • Não receber multas indesejáveis;
  • E ainda assim reduzir drasticamente sua carga tributária. Já pensou?

Com um planejamento especializado, nosso intuito é ajudar os profissionais da advocacia. 

Fala com a gente e te diremos o melhor caminho para abrir uma empresa, a escolha correta da natureza jurídica, a melhor tributação, e o recolhimento mais econômico possível para que assim você consiga se manter 100% dentro da legalidade.

 “Nos conte com que sua empresa trabalha e montamos seu plano de trabalho ideal”.

Gostou do artigo? Mande para um amigo!

Thiago de S. Farias
CEO Aci Contabilidade

Empreendedor: Dicas que vão te ajudar a se manter motivado

segunda-feira, janeiro 13th, 2020

Muitas pessoas tem o desejo em se tornar empreendedoras. Transformar uma ideia que adora em uma oportunidade de negócio viável é uma perspectiva interessante. Além disso, você se torna seu próprio chefe e define os próprios horários, ou seja, não precisará dar satisfações a ninguém, a não ser você mesmo.

Mas isso não é a vantagem que os empreendedores imaginam que seja. Ser seu próprio chefe significa gerenciar tudo sozinho, pois não há mais ninguém que possa fazer seu trabalho.

Como resultado, você estará sempre trabalhando, o que significa mais horas resolvendo problemas e encontrando soluções, mesmo quando o relógio já marcar o fim do expediente.

Ser empreendedor 24 horas por dia, 7 dias por semana, é mentalmente exigente e revigorante na mesma medida. Embora ter a cabeça constantemente ocupada seja empolgante no início, isso pode se tornar desgastante com o tempo, se você não tiver um momento de descanso.

Mesmo que a maioria dos empresários goste de ter serviço constantemente, em algum momento isso poderá ficar insuportável.

Assim, a qualidade do trabalho cairá e surgirão dificuldades de comunicação e perda da motivação, ou seja, todas as qualidades que um empreendedor precisa ter em abundância ao longo de sua carreira.

Dicas para se manter motivado

Você não quer fazer parte dos 70% de startups que não sobrevivem até o décimo aniversário, de acordo com estas estatísticas sobre startups, ou quer?

Então, a pergunta é: como se manter motivado quando você está sempre conectado? Aqui estão as cinco principais maneiras que podem ajudá-lo.

1. Crie listas de tarefas

As listas de tarefas são uma parte essencial do fluxo de trabalho do escritório — elas ajudam a mantê-lo organizado durante o dia, garantindo que você não perca compromissos ou tarefas importantes.

Para um empreendedor que tem muito mais com que se preocupar do que apenas funcionários e gerentes, uma lista de tarefas é essencial para trabalhar com eficiência e, consequentemente, manter-se motivado.

Não há nada pior do que entrar no escritório pela manhã, pronto para lidar com determinados projetos, apenas para descobrir que você perdeu um prazo de entrega.

Na vida corporativa, há sempre interrupções inesperadas durante o dia. Você não tem como se preparar para elas, mas pode estar sempre pronto para as tarefas das quais já tem conhecimento.

Faça checklists para diferentes itens da sua agenda — coisas para resolver diariamente, tarefas para um projeto específico, ideias de apresentação, reuniões, entre outras coisas.

Crie uma lista de tarefas detalhada e priorize seus itens de acordo com a urgência e a importância. Você encontrará algumas tarefas que podem ser tratadas posteriormente, para que possa se concentrar em outras primeiro.

Usar um checklist para gerenciar seu trabalho e o tempo é um grande motivador — não há sensação melhor do que marcar um item como concluído na lista.

Tire um tempo todas as manhãs para atualizar sua lista de tarefas e adicionar itens à medida que forem chegando.

2. Tire uma folga do trabalho

Ser empreendedor é mais do que um trabalho em tempo integral, mas isso não significa que você não possa fazer uma pausa de vez em quando.

Trabalhar o tempo todo não o torna produtivo; na verdade, se só pensar no trabalho, você acabará se sentindo mais cansado e menos inspirado.

Em vez de gastar sua energia mental planejando reuniões e estratégias de crescimento, desconecte-se por um tempo todos os dias.

Reserve alguns momentos para desligar do modo profissional: sem ler e-mails, nem atender chamadas telefônicas, etc.

Você pode dedicar este tempo à família, para ler um livro ou ouvir um podcast.

O que quer que faça quando estiver afastado do trabalho, o objetivo é revigorar a mente para que você possa voltar motivado e cheio de novas ideias.

3. Conheça pessoas fora da empresa

Como já foi dito, ser empreendedor é um trabalho ininterrupto. Mas uma das consequências disso é que você acaba gastando grande parte do seu tempo com pessoas da empresa ou, pelo menos, associadas a ela.

Você se reunirá com gerentes, funcionários, partes interessadas, parceiros e membros do conselho regularmente, mas perceberá que essas interações estão muito focadas internamente.

Como ampliar a mente, seus horizontes e as perspectivas da sua empresa se você está apenas olhando para dentro? É impossível fazer isso com um foco tão restrito.

Reserve algum tempo para se encontrar com pessoas de fora do escritório e até do seu setor, se possível. O networking sempre foi ótimo para os negócios e para impulsionar a motivação.

A sua empresa pertence ao setor hoteleiro? Talvez você possa se encontrar com um desenvolvedor de aplicativos de comércio eletrônico. Talvez o encontro leve a uma nova proposta ou à geração de conceitos inovadores.

Ao conhecer pessoas fora da sua esfera de influência, você não apenas aumenta seu conjunto de ideias e contatos, mas também se mantém motivado ao saber quantas possibilidades existem para o seu negócio.

4. Descubra hobbies

Você deve estar pensando: como um empreendedor pode sequer pensar em se dedicar aos hobbies? Mas esta é realmente uma maneira fundamental para evitar a sensação de esgotamento.

Os hobbies podem ser tão simples como realizar um curso ou praticar uma atividade física.

Como empresário, você terá dificuldade em encontrar tempo na sua agenda lotada para fazer qualquer coisa, menos para trabalhar. Mas, como já dissemos, procurar internamente não o ajudará a conceber novos planos de crescimento comercial, nem a mantê-lo motivado.

Escolha algo que você gosta de fazer e, certamente, haverá uma melhora na sua produtividade.

5. Abrace o poder do “não”

Você não pode resolver tudo sozinho, por mais que queira. Mas os empreendedores têm tanto o que fazer, que a única saída parece ser trabalhar duro.

É nesse momento que você precisa aprender a dizer “não”. É difícil dizer “não” a novos potenciais clientes ou a uma ideia da sua equipe, mas é algo que você precisa fazer.

O objetivo de dizer “não” às coisas é se dedicar ao máximo às tarefas atuais.

Ao aceitar todas as solicitações que surgirem, você até conseguirá aumentar sua lista de clientes, mas a qualidade do trabalho cairá, o que levará alguns dos seus clientes a abandoná-lo, resultando na diminuição dos seus níveis de motivação.

Em vez de assumir todas as tarefas que aparecerem, delegue algumas a outras pessoas e, se isso não for possível, rejeite-as.

Executar as tarefas atuais dando o seu melhor levará à uma maior retenção dos clientes e ajudará a mantê-lo motivado.

Principais conclusões

Ser empreendedor é um trabalho estressante em tempo integral, mas você não precisa perder a motivação por causa disso.

Mantenha-se organizado com listas de tarefas detalhadas e faça pausas regulares no trabalho.

Conheça pessoas de fora da sua empresa para impulsionar ideias e dedique tempo a “hobbies” não relacionados com o trabalho.

Por fim, aprenda a dizer “não” quando puder e a delegar tarefas a outras pessoas que possam executá-las.

FONTE: Jornal Contábil.

Contabilidade para clínicas, consultórios e profissionais da saúde

sexta-feira, outubro 5th, 2018

Clínicas, consultórios e profissionais da saúde

Com um planejamento especializado, nosso intuito é ajudar os profissionais da área da saúde e o Gerenciamento de Clínicas, consultórios e profissionais da saúde.

Já pensou como o profissional da saúde pode abrir seu consultório ou clínica e também ter o controle contábil necessário?!

Os principais pontos são:

  1. Abertura da empresa
  2. Escolha de uma boa assessoria contábil
  3. Gestão fiscal e tributária
  4. Gestão de recursos humanos
  5. Gestão financeira ou Fluxo de caixa

Sobre a Abertura de Empresa

Para abrir a empresa, ou realizar a sua regularização empresarial o Médico pode escolher alguns tipos de Natureza Jurídica que muitos conhecem como “Tipo de Empresa”, as Mais Usadas São:

  1. Sociedade Simples LTDA: Pode ser aberta entre Médicos e Pessoas Leigas (Não Médicos)
  2. Sociedade Simples Pura: Apenas realizada entre Médicos;
  3. EIRELI: Empresa Individual de Responsabilidade Limitada; Individual para Médicos que não possui sócios. Precisa de 100 salários mínimos como Capital Social inicial.
  4. ME ou EPP: Microempresa ou Empresa de pequeno porte individual que prestam serviços médicos diversos.

O processo é bem simples e rápido. Apenas precisamos registrar a empresa em alguns órgãos. O Fluxo é o seguinte:

  • Cadastro do Contrato Social no Conselho Regional de sua atividade
  • Registro no Cartório Pessoa Pessoa Jurídica
  • Cadastro CNPJ
  • Cadastro Prefeitura
  • Alvará de Funcionamento, Vigilância Sanitária, CNES, Entre outras Licenças dependendo da Atividade.

Logo, lhe tratamos algumas dicas de Abertura de Empresa para Clínicas, consultórios e gerenciamentos.

Tributação e gerenciamento

No que tange uma assessoria, ela será responsável por elaborar os demonstrativos contábeis de sua empresa, ajudando-a a manter um crescimento sustentável e organizado. Dentro dessa rotina, estão as atividades de:

  • Escrituração contábil
  • Elaboração dos livros caixa, diário e razão
  • Emissão de demonstrações contábeis
  • Arquivamento de documentos e cadastros em geral

Uma grande dúvida dos Médicos que pensam em ser Pessoa Jurídica é quanto vai pagar de impostos. Nós iremos detalhar em seguida as principais informações sobre o tema:

Temos 3 tipos de tributação:

  • Lucro Presumido
  • Simples Nacional
  • Lucro Real

Pela legislação atual referente a 2018, nós temos para os médicos pessoa jurídica as melhores opções são Lucro Presumido ou Simples Nacional.

O ideal mesmo é que cada empresa se adeque ao regime tributário de acordo com a realidade do seu dia a dia. Muitas vezes médicos e clínicas acabam escolhendo o Simples Nacional de imediato pensando que vão pagar menos impostos por conta de menos obrigações para com o fisco, porém nem sempre é assim e acabam pagando mais devido a sistemática de cálculo do regime.

Lucro Presumido geralmente se paga 11,33% de Impostos Federais mais o ISS de Fortaleza que pode variar entre taxa fixa e 5%.

Já no Simples Nacional, tudo mudou em 2018. A Alíquota que antes poderia iniciar em torno de 16,93% sobre o faturamento, agora pode iniciar em 15,5% ou até mesmo com APENAS 6%. Tudo vai depender de um bom PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO e controle contábil.

Vale lembrar também que quando falamos de recursos humanos, falamos em despesas com impostos, como por exemplo: as empresas no lucro presumido ainda precisam pagar um INSS patronal sobre folha de pagamento e pró-labore que pode chegar a 28% sobre o total pago. Dependendo da sua folha de pagamento, pró-labores e demais retiradas, seu planejamento pode ser efetivamente dependente desse quesito.

Um pouco complexo não? Não! Entendemos do assunto e te garantimos a maior economia fiscal dentro da legalidade.

Você pode perguntar então por que não escolher o Simples Nacional e não optar pelo Lucro Presumido já que a alíquota é maior? Nem sempre é assim, a lei estabelece regras de apuração dos impostos a recolher, por isso que é tão importante realizar um planejamento antes da tomada de qualquer decisão.

Sobre a Contabilidade e Controle Financeiro

Independente se optam pela Pessoa Jurídica ou não, após todo os trâmites iniciais, como qualquer entidade empresarial, os médicos e clínicas médicas também estão obrigados a manter a escrituração contábil ou a manutenção de seu livro caixa, realizando todo o gerenciamento financeiro.

Um ponto primordial para a boa gestão é de não esquecer de separar a pessoa física da jurídica. Atualmente com a tecnologia, podemos enviar e receber suas as informações pela internet. Temos sistemas financeiros e contábeis especializados que te auxiliam no controle e na tomada de decisão do dia a dia.

Para avaliar, portanto, qual das opções de organização e exercício da atividade devem ser adotadas, do ponto de vista tributário, é altamente recomendável que o Médico procure ajuda de um bom contador para avaliar a sua situação particular e ajudar na escolha da melhor opção.

Então, através de todo o estudo pré-estabelecido na área, a Aci Contabilidade pode te ajudar diretamente a constituir e manter a gestão sua clínica, seu consultório ou até mesmo sua Pessoa Jurídica por questões de estratégias de rendimentos.

Nosso foco é o seu crescimento!

“Nos conte com o que trabalha e montamos seu planejamento ideal”.

Att,

Thiago de S. Farias – CEO Aci Contabilidade

Contador / Auditor / Analista Fiscal

A importância da gestão financeira e os 08 erros mais comuns

quinta-feira, setembro 20th, 2018

A gestão financeira é tão importante para uma empresa quanto uma bússola é para um navio. Navegar sem rumo em alto mar é extremamente arriscado. Você pode até conseguir chegar em algum lugar, mas dificilmente chegará ao destino que havia planejado.

Se você traçou um rumo para a sua empresa, mas não consegue chegar nele, certamente está cometendo erros no sistema de gestão. Conheça os 08 erros mais comuns na gestão financeira e garanta que a sua empresa esteja bem longe de cometê-los.

1 – Não possuir um software de gerenciamento

A ausência de um software entra no topo da lista por um simples motivo: o sistema de gerenciamento é a bússola da empresa. Para seguir com segurança, é preciso analisar cada detalhe das operações e processos que envolvem o seu negócio.

Controle do fluxo de caixa, volume de produtos em estoque, o custo que o estoque representa para a empresa, quanto você está gastando com funcionários, quanto os sócios estão recebendo, dentre muitas outras coisas. Cada informação dessa é estratégica para seu negócio. Conhecer esses dados aumenta a percepção de erros e oportunidades, ajudando a corrigir o rumo que empresa está tomando. Por isso, mantenha um sistema de gerenciamento que reúna todas as informações e facilite a administração da sua empresa.

2 – Não registrar todas as operações realizadas

Não registrar as operações da sua empresa é como relaxar na proa do navio enquanto litros e litros de água entram por um furo enorme no casco.

O registro das operações ajuda a manter o controle sobre a companhia. Somente assim será possível saber se o departamento de compras precisa adquirir mais unidades de determinado produto, o quanto de dinheiro entrou no caixa, o quanto saiu para pagar contas, quantos clientes foram atendidos, qual foi o volume de operações em determinado dia, mês ou ano e etc.

O sistema de gerenciamento somente terá efeito se for alimentado com dados atualizados. E, para isso, é preciso registrar todas as operações.

3 – Não conhecer o estoque de mercadorias

Conhecer o seu estoque é importante por dois motivos. Em primeiro lugar, para você não vender ao cliente algo que não possui. Em segundo lugar, mas não menos importante, para você não desperdiçar dinheiro com armazenamento desnecessário. Estoque alto é sinônimo de prejuízo.

Há vários tipos de produtos que possuem data de validade. Se você tem dezenas de itens no seu estoque que se aproximam do vencimento, chegou a hora de fazer uma grande promoção. Caso contrário, você corre o risco de pagar armazenamento para produtos estragados. Mesmo que não sejam produtos alimentícios, produtos por muito tempo em estoque é alto custo.

Outro caso comum é o de excesso de produtos iguais. Talvez você esteja desperdiçando armazenagem com um volume grande de itens que possuem pouca saída. O estoque representa um dos principais custos de uma empresa e tem relação direta com o preço do produto. Otimizar o estoque é dar competitividade a sua empresa.

4 – Não fazer o fluxo de caixa

Quanto você recebeu de dinheiro no seu caixa hoje? Esse dinheiro veio das vendas ou foi um aporte de investimentos? E quanto saiu? O valor que saiu, foi para pagamento de contas, para devoluções a clientes insatisfeitos ou para remuneração dos sócios? Qual foi o seu faturamento? Qual o seu lucro?

Se você não consegue responder a estas perguntas, está na hora de controlar melhor o seu fluxo de caixa. Além de oferecer um controle detalhado sobre a movimentação do capital da empresa, o fluxo de caixa pode lhe indicar dados estratégicos, como, por exemplo, identificar um fornecedor que recebe regularmente um volume grande de dinheiro da sua empresa. É possível que, para manter o relacionamento com um bom cliente, o fornecedor pode conceder descontos.

5 – Não saber os custos e as despesas dos produtos

Calcular o preço dos produtos não é tarefa fácil. Existem vários fatores externos e internos que contribuem para a formação do preço. Conhecer os fatores externos leva algum tempo, contudo os fatores internos estão ao seu alcance.

Não saber os custos relacionados ao produto, como o valor de produção ou aquisição, impostos, valor de armazenagem e valor de transporte, é dar vantagem ao concorrente. Preços errados são como furos no casco do navio. Ou você evita, ou tapa rapidamente.

6 – Não analisar um Balanço Patrimonial

Na medida em que o negócio cresce, é preciso comprar imóveis, veículos, ferramentas, móveis, computadores e material de escritório. Muitas vezes, esse crescimento se dá de maneira repentina e acaba se tornando desordenado.

Além de representar o valor que sua empresa possui, o balanço patrimonial ajuda a identificar necessidade de expansão ou retração.

7 – Não estabelecer um valor fixo de pró-labore e não separar as despesas pessoais com as da empresa

Assim como um capitão de cruzeiro não se lança ao mar sem um mapa de navegação, os sócios não devem se lançar numa empreitada sem estabelecer alguns acordos antes.

Defina um valor fixo de pró-labore para cada um dos sócios, inclusive para você. Esse valor pode ser igual para todos ou proporcional ao capital que cada um aplicou na abertura da empresa. Monitorar essa remuneração evita distorções na companhia e brigas entre os sócios.

Não aplicar essa medida é um dos erros mais comuns entre os empresários. Muitos sócios costumam utilizar a conta da empresa para pagar despesas ou realizar aquisições pessoais, e até mesmo realizarem retiradas desordenadas. Essa mistura é bastante prejudicial para a companhia, pois distorce os custos fixos de qualquer empresa e você de fato não saberá quanto está lucrando.

8 – Não fazer um demonstrativo de resultados

Só é possível saber se o navio está navegando para o lugar certo monitorando o mapa constantemente. O demonstrativo de resultados oferece os dados necessários para realizar esse monitoramento.

Um bom demonstrativo consegue fornecer aos sócios um diagnóstico completo dos processos da companhia, incluindo os custos e as receitas. Além de indicar se a empresa é lucrativa, o demonstrativo te ajuda a entender o por quê.

Sem uma análise correta do planejamento financeiro fica difícil prosperar. Ter um sistema de gestão financeira é essencial para garantir os lucros!

Na Aci Contabilidade você conta com essa gestão financeira e contábil de forma simples e objetiva, dessa forma, auxiliando na gestão dos seus negócios.

Nosso foco é o seu crescimento.

Pense nisso!!

Thiago de S. Farias -Contador e diretor da Aci Contabilidade

 

Minha empresa está na UTI e agora?

sexta-feira, agosto 10th, 2018

Minha empresa está na UTI e agora?

Por Leandro Bueno 

Meu nome é Leandro Bueno sou consultor há 17 anos e hoje eu vim aqui falar com você sobre recuperação de empresas a beira do precipício.

Mas antes de falar sobre recuperar uma empresa eu gostaria de levantar a seguinte questão aqui, não seria melhor antes mesmo do adoecimento da empresa tratar a saúde financeira desta?

Não seria mais fácil antes de levar o enfermo para a UTI cuidar dele em casa?

Ao longo dos anos eu venho vivenciando empresas que estão no caminho certo dá morte!

Ao longo dos anos, eu infelizmente, venho acompanhando empresas que estão no velório de si próprias, faltando apenas “enterrar” pois já estão mortas há tempos, mas ainda assim quer fazer mais uma tentativa baseada no “achismo”.

Eu não sei se você se sente assim nesse momento. Eu não sei se a sua empresa está passando hoje por esse momento. Mas uma coisa eu posso afirmar, se a sua empresa está dessa forma foi porque você não olhou como deveria ter olhado, não viu aquilo que estava diante dos seus olhos, não percebeu aquilo que estava na sua frente que são os seus números contábeis!

Números contábeis trata-se da espinha dorsal do seu negócio. A minha avó já dizia, “quando a cabeça não pensa o corpo padece”. A cabeça pensante do seu negócio é claro que é você! Todavia as conexões cerebrais que conectam o seu negócio e que possam vir a tirá-lo de uma possível internação na UTI, de uma possível doença, ou ao menos indicam uma gripe que pode levar a uma pneumonia, que pode levar a uma falência múltipla dos órgãos, que pode levar a uma outra série de intercorrências, são os índices da contabilidade. O PMR, PMP, NCG, LIQUIDEZ SECA, LIQUIDEZ IMEDIATA, talvez essa palavra som na sua mente da mesma forma quando um médico, vem falar de um ente querido para você sobre alguma doença que está lhe afligindo e prestes a tirar a vida deste ente querido, talvez essas palavras contábeis essa sopa de números e letras, essa soe para você como a leitura de uma bula de remédios.

Trago aqui uma reflexão para vocês:

Uma coisa simples e prática, você está doente você vai ao…

Você quer construir uma casa você vai procurar o…

Você quer se separar da sua esposa você vai procurar o…

Você está com depressão você vai procurar o…

E por que é que quando a sua empresa está doente, quando a sua empresa está em depressão, quando a sua empresa está à beira de um ataque de nervos, quando essa empresa está à beira da falência, quando a sua empresa está à beira da UTI você não procura seu contador?

Eu sei como você se sente, eu também já me senti assim. Eu também já tive empresa há 10 anos e por um milésimo eu não a perdi para credores. Por uma “sorte” do destino, eu sempre fui um bom vendedor, ótimo com números, contava com um excelente parceiro, e consegui aos 49 do segundo tempo recuperá-la, e vender posteriormente.

Talvez você até consiga com seus próprios esforços, parabéns!

Talvez você seja a maior empresa da sua atividade nos próximos 50 anos depois de passar o que você está passando e quase enterrar sua empresa, parabéns!

Mas, e se eu dissesse para você que existe um método, que existe uma forma, que existe um caminho já testado por milhares de empresas, que também por sua vez, a beira da falência ou não, conseguiram enxergar melhor o seu negócio, e começaram a tratar a raiz, ao invés de tratar a fruta?

A contabilidade é essa ciência.

Pense nisso. O céu é o meu limite!

Leandro Bueno

 

Fonte: Blog Nucont

 

Regularização empresarial: Como legalizar meu negócio?

quinta-feira, agosto 2nd, 2018

Regularização empresarial: Como legalizar meu negócio?

Então, temos de nos conscientizar que vivemos um verdadeiro labirinto quando diz respeito a legislação, instruções normativas para os diversos tipos empresariais hoje no Brasil. Vivemos em meio a um turbilhão de burocracia, tributos e obrigações acessórias a serem cumpridas.

No entanto, quem se mantém irregular corre um risco bem maior em relação aos que estão sob a ótica dos órgãos de fiscalização, no entanto, regulares. Muitas vezes os riscos de não se regularizar são tão grandes que podem ser fatais à sua empresa.

Aquele que procura “economizar” um pouco hoje deixando seu negócio irregular, enfrenta graves prejuízos amanhã, que não só afetam, como muitas vezes podem levar ao fim do empreendimento.

Mas acredite, não há motivo para se assustar ou desistir, pois nesse post te mostraremos o processo de regularização empresarial, mostrando tudo que você precisa para legalizar seu negócio.

Regularização do meu negócio

Para que sua empresa esteja em dias com a legislação atual, você precisa seguir alguns pontos:

  • Registrar de forma correta os atos constitutivos da empresa
  • Manter todas informações cadastrais da sua empresa sempre atualizadas, sejam na Receita Federal, Estado ou Município;
  • Não somente recolher os impostos, mas também manter as obrigações acessóriasem dias (falaremos delas logo mais);
  • Ter as licenças necessárias para o funcionamentode sua empresa, seja a licença Municipal, Estadual ou Federal;

Para algumas atividades, serão necessárias também outras licenças específicas, como a licença da ANVISA, caso você comercialize ou preste serviços na área de alimentos, cosméticos e salões de beleza, por exemplo.

Para cada atividade a ser seguida, podem haver diferentes obrigações a serem seguidas, com diferentes regimes de tributação.

Portanto o primeiro passo é definir sua atividade, com o que irá trabalhar. O segundo e um decisivo ponto para sua empresa é realizar um PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO, indicando o regime de tributação mais adequado para o mesma, perante entidades de âmbitos federal, estadual e municipal, dentre outros órgãos.

Por isso, é de suma importância saber aonde e como sua empresa irá se enquadrar.

Alguns formatos empresariais que seu negócio poderá está submetido:

  • MEI
  • Empresário Individual
  • EIRELI
  • Sociedade Empresária

Quais as obrigações acessórias mais comuns?

Como dito, não basta pagar os impostos: sua empresa não estará regularizada se você não observar e CUMPRIR com as obrigações acessórias. O descumprimento delas pode acarretar multas pesadas.

Uma das obrigações acessórias mais comuns é a GFIP, que será substituída pelo ESOCIAL e pela DCTFweb para alguns formatos empresariais, aonde consiste em informar todas as informações trabalhistas, o quadro de demissões e contratações, o salário que você paga aos funcionários, férias, décimo terceiro salário, bem como as informações sobre os encargos devidos, entre tantas outras.

Algumas das obrigações mais comuns:

  • CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados;
  • DIRF – Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte;
  • GFIP Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço;
  • Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), e a Escrituração Contábil Fiscal (ECF), entre outras;
  • DCTF – Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais

Mesmo empresas inativas devem ter atenção a algumas dessas obrigações acessórias, como a DCTF e a RAIS.

Principais erros iniciais

Um dos principais erros cometidos por aqueles que abrem uma empresa e que que acabam causando a falência precoce, é não se organizar financeiramente e não poupar, em especial para os primeiros meses após a abertura do negócio, que em regra são os mais difíceis.

Como nos 18 meses iniciais da empresa não se tem tanto retorno, é definitivamente ACONSELHÁVEL que se poupe uma quantia para garantir que tudo corra bem, e o empreendimento se mantenha.

Busque também o auxílio de uma contabilidade eficiente que tenha como foco a sua gestão. Não se engane, a falta de planejamento é um dos maiores “vilões” na vida de qualquer empreendedor iniciante.

Vantagens da regularização empresarial

Se você se regulariza como um Empresário individual, por exemplo:

  • Poderá comprar de fornecedores com desconto;
  • Facilidade para realizar empréstimos através da conta bancária de Pessoa Jurídica
  • Contratar funcionários de maneira legal com isenção de impostos;
  • Pagar menos tributos em relação a Pessoa Física e outros formatos de Pessoa Jurídica;
  • Você poderá mensurar exatamente seus custos e despesas, , dentre tantas outras vantagens.

Vale lembrar que uma das principais vantagens da regularização empresarial, no entanto, é não correr tantos riscos que podem levar até mesmo ao fim do seu empreendimento.

Porém optar por economizar nesse quesito, e não se regularizar, não valerá a pena em médio e longo prazo.

Nosso conselho é que o empresário esteja sempre assessorado por um profissional qualificado, que utilize softwares modernos, realizando um trabalho de alto nível e seguro.

Assim a empresa está adequada as novas exigências do mercado de acordo com sua legislação vigente, como também, poderá atingir facilmente seus objetivos.

 

Thiago de S. Farias

Aci Contabilidade

Você tem uma Gestão por Resultados? 

quarta-feira, julho 25th, 2018

Você tem uma Gestão por Resultados?

Por Gabriel Gandra do blog.nucont.com

Pensamos, planejamos, calculamos, mas não mantemos uma gestão baseada em análise constante dos resultados da nossa empresa.

Muitas das vezes porque não sabemos exatamente por onde começar e se sabemos, como analisar ou qual a aplicabilidade dessa informação, como transformar isso em AÇÃO.

Alguma dessas sentenças lhe é familiar: “Não sei”, “não consigo visualizar de forma simples”, “a equipe não compreende a importância”, “meu pessoal não sabe interpretar”, “faço tudo sozinho e isso não é a minha prioridade”?

Poderia escrever um artigo inteiro dizendo tudo o que já ouvi para NÃO se gerenciar com embasamento!

E hoje quero acabar com as desculpas, já tratamos em outros artigos sobre como implantar mudanças na sua empresa e dos principais indicadores financeiros hoje iremos tratar sobre ter uma gestão baseada em dados e análises da sua própria empresa!

1º) Defina e ENTENDA os índices

Não é novidade alguma que quanto mais queremos fazer mais coisas, maior a tendência de não terminarmos.

Portanto, se você está iniciando agora, defina poucos indicadores para mensurar.

Se você já dispõe de alguns dados, reveja se eles são realmente importantes.

Nesse artigo conseguirá ver os 05 principais indicadores financeiros que você deveria conhecer e APLICAR! (o link está abaixo)

Vou seguir pelos 05 principais: Lucratividade, Margem de Contribuição, Ponto de Equilíbrio, Liquidez Corrente e EBITDA.

Não basta definir, tem que entender e relacionar com o objetivo.

Um exemplo: se olhamos para a nossa lucratividade e entendemos que ela está abaixo do que esperávamos, queremos alcançar, portanto, ao menos, o ponto de equilíbrio. O direcionamento é o aumento desse índice. (ÓBVIO)

Querer aumentar a lucratividade não faz com que ela cresça organicamente!!! (isso é óbvio também, mas tem de ser dito!)

E para isso, outros índices devem nos auxiliar.

Por exemplo:  a Margem de Contribuição, o Peso da Despesa e do Custo para que sejamos capazes de traçar o melhor caminho para o resultado que queremos: o aumento da minha lucratividade!

Conclusão: há inúmeros índices que podem ser úteis para a sua empresa. No entanto, não devemos escolher diversos, começar com poucos e por isso sugeri esses 05: http://blog.nucont.com/05-indicadores-financeiros-que-voce-deve-conhecer/

E ao definir, devemos entender e analisar estabelecendo a correlação entre eles para que tenhamos uma AÇÃO!

2º) Defina os processos

Definimos os indicadores, entendemos e temos o 1º chamado para a ação.

Não acabou ainda!

Para que as coisas continuem evoluindo, precisamos ter processos, responsáveis, datas, prazos, metas, entregas!!

E ter uma gestão voltada para resultados requer que estejamos sempre olhando para o fim que só estará lá se houver a mensuração das informações importantes – que foram entendidas na etapa anterior – e que devem ser organizadas e geridas dentro dos indicadores.

2.1) Defina quem coletará, organizará esses dados.

Se for você mesmo, separe um momento do dia para organizar tudo o que aconteceu, todas as transações, todas as notas fiscais, TUDO! E ao separar, já insira essas informações no seu sistema de gestão interna, na sua planilha de excel.

Sugiro que seja sempre ao final do dia, assim, você mesmo já terá um gatilho mental de finalização do dia.

2.2) Organize-se para gerir

O ponto aqui é que você possui todos os dados e agora é sentar para gerir.

Em 2 semanas muita coisa acontece dentro da sua empresa, todavia, ainda não houve o fechamento do mês, sendo excelente para a tomada de decisão que impactarão fortemente a tua empresa.

Gerir é se organizar, pensar, analisar, planejar e AGIR!

E este é o momento de planejar para a AÇÃO! Olhar para a operação sob uma ótica panorâmica para que possa atuar sobre o problema!

Ao fazer isso, estará olhando para a organização como um TODO e será capaz de ver qual é o processo ou o resultado – dentro da operação – que não tem correspondido para o alcance que desejamos!

3º) Faça uma GESTÃO À VISTA

Tudo o que disse anteriormente foi feito por você e envolvendo uma parcela muito pequena da tua equipe.

No entanto, todo o resultado da sua empresa – sendo a sua equipe grande ou pequena – é um esforço conjunto.

E é fundamental para a empresa que todos tenham conhecimento do resultado dos seus esforços e quanto mais esse resultado é explícito, mais você conseguirá direcionar os esforços do time.

Portanto, a ideia é simples: em um canto da tua empresa, perto de um calendário, transcreva esses índices em uma cartolina, quadro branco com o indicador e em baixo dele a Meta e o Aonde Estamos.

O fato de estar evidente para os seus colaboradores faz com que se construa o hábito de estar sempre observando se evoluímos os nossos resultados ou não!

Se estamos sendo eficientes, se devemos modificar as nossas ações.

E se não estivermos, voltamos à análise dos números com maiores detalhes, repensamos as estratégias, as atitudes e nos colocamos em um novo caminho (de volta aos primeiros passos).

Conclusão

Gerir com foco nos resultados e acompanhando as finanças da empresa não é fácil.

É mais fácil não pensar, fechar os olhos para os fatos que estão ali e ESCOLHEMOS não prestar atenção.

No entanto, escolher estar atento e acompanhar faz com que sejamos mais ágeis e que obtenhamos retornos que, antes, existiam em sonho.

 

Acredite nisso!!

Thiago Farias – Aci Contabilidade

 

Fonte: Blog Nucont